segunda-feira, 25 de abril de 2011

Brasília Secreta


Esse assunto do qual abordarei, foge totalmente daquilo que se propõe esse Blog. Mas, é um tema muito interessante e amplamente discutido por aí, com um material farto no youtube, com  opiniões  diversas sobre a questão a qual gostaria de compartilhar com vcs. Se desejar, faça  um comentário sobre este assunto.


Uma leitura estarrecedora que fiz recentemente foi a do livro Brasília Secreta, Enigma do Antigo Egito (Iara Kern e Ernani Figueiras Pimentel, Editora Pórtico). O livro não é evangélico, sendo baseado em uma tese arqueológica da autora, chamada De Akhenaton a J.K Das pirâmides a Brasília, e mostra inúmeras semelhanças entre a construção de Brasília e uma antiga capital do Egito, Akhetaton, que existiu há 3580 anos, questionando se seriam apenas coincidências ou se existe algo misterioso unindo estas duas cidades. 

Juscelino e o faraó egípico 

O faraó Akhenaton, nome adotado por Amenhotep IV, esposo da rainha Nefertit, representou um marco importante na engenharia e arquitetura mundial, construindo toda uma cidade em menos de quatro anos, pelo fato de substituir a técnica tradicional, que utilizava gigantescos blocos de pedra, pelo uso de pequenos blocos, de 30 a 40 cm. Akhetaton foi construída para adoração do deus Athon ""deus Sol"", transformando em monoteísta a religião egípcia. Muito parecida com a geografia e arquitetura de Brasília, Akhetaton estava localizada no centro geográfico do país. Como capital administrativa do Egito, foi organizada em setores, distribuídos em suas asas norte e sul, que representava uma grande ave voando em direção leste - figura de Íbis, uma divindade egípcia guardiã das pirâmides e dos mortos. Devido ao intenso calor e baixa umidade do ar local, foi construído o lago Moeris, sendo o primeiro lago artificial do mundo. Muitos de seus prédios, em forma de pirâmide, possuíam entrada por um corredor escuro no sub-solo, aonde as pessoas chegavam a uma grande nave iluminada pela luz solar intensa, simbolizando a busca dos que estavam em trevas em direção à luz do deus Sol.
 Juscelino Kubitschek, presidente brasileiro responsável pela construção de Brasília, tornou-se um grande admirador de Akhenaton, após conhecer o Egito, na época em que foi fazer especialização na Europa. Dizia que era reencarnação do mesmo. Como o faraó, Juscelino também construiu a nossa capital em menos de quatro anos, morrendo tragicamente 16 anos após a conclusão da obra""(em um acidente misterioso na via Dutra, próximo a Resende/RJ"", da mesma forma que Akhenaton. 

Para a construção de nossa capital, foi realizado um concurso para escolha de quem projetaria a ""moderna"" cidade. Lúcio Costa, vencedor do concurso para escolha do plano piloto de construção de Brasília, disse que nem mesmo pretendia concorrer, e apresentou apenas alguns rabiscos de seu projeto, um rascunho, muito parecido com os traçados da antiga capital egípcia ""para se desvencilhar de uma solução que não foi procurada, mas que surgiu já pronta"". O livro faz as seguintes perguntas: quem lhe transmitiu isso? E a idéia surgiu pronta de onde? O livro também é acompanhado de um mapa que mostra várias construções em Brasília muito semelhantes a outras no Egito. 

As influências da maçonaria 

Em 21 de abril de 1500 chega ao Brasil a esquadra de Pedro Álvares Cabral, enviado pelo dom Manuel, ou Emanuel, de Portugal""note as características proféticas dos nomes Emanuel enviando a Pedro, que abriria as portas da nação para Deus"". A primeira missa, celebrada pelo padre Anchieta, onde nosso país foi consagrado a Deus, aconteceu no dia da Páscoa, marcando nossa terra com o sangue do Cordeiro. Apesar de muitos erros cometidos pelos primeiros portugueses chegados ao Brasil, esta terra havia recebido a marca de Cristo, o sangue do Cordeiro da Páscoa, e o anjo da morte não poderia tocar nela. 

Mas como na parábola bíblica, o inimigo sempre planta o joio nos campos do Senhor. Como a maçonaria é bastante ligada à religião do antigo Egito e suas divindades, também tinha intenções de marcar esta terra com as tradições egípcias. A maçonaria atuou ativamente na construção de nossa capital, bem como em toda a história do Brasil.Também exerceu grande influência na história política de praticamente todos os países da América, inclusive os Estados Unidos. Um pouco mais de 200 anos após o nosso descobrimento, os maçons começam o movimento para independência do Brasil, com o slogan ""Independência ou Morte"". Por causa deste movimento, Tiradentes foi enforcado e esquartejado, também em um dia 21 de abril, mas de 1792, e sendo considerado com mártir pelos inconfidentes ""é bom lembrar que Tiradentes foi comparado com Jesus, pelos historiadores, e também morreu em uma sexta-feira da Paixão"". Por causa da ligação dos maçons com as divindades do antigo Egito, o derramamento do sangue de um mártir nos direcionou para um ritual de aliança, um verdadeiro pacto consagrando o Brasil a esses deuses. Brasília também foi fundada em 21 de abril. Você pode achar que tudo isso é uma grande bobagem, ou coincidências, mas grandes problemas que temos atualmente em nosso país podem ter origem nesta história que trouxe maldição sobre nossa terra. Basta olhar para a entrada da maioria das cidades brasileiras e ver um Obelisco símbolo fálico dos deuses do Egito, e bastante usado pelos políticos maçons. É como se o diabo estivesse levantando seu dedo ""que todos sabemos significado deste gesto obsceno"" para cada morador daquela cidade. E é justamente por esse motivo que as mulheres não podem fazer parte da maçonaria não possuem este membro em seus corpos. 

Seria Brasília uma cidade realmente moderna? 

Com o slogan de ""Cinqüenta anos em cinco"", de nos levar à modernidade, JK conduziu nosso país a um regime de irresponsabilidade fiscal, inflação fora do controle, aumento astronômico da dívida pública e corrupção. Ele sabia que, depois de tudo, o Brasil estaria quebrado, mas ninguém o impediria de levar à cabo seu irresponsável projeto: construir Brasília. A revista Época ""edição no. 399, jan/200"" diz que era considerado moderno, mas era ao mesmo tempo arcaico. Em seus melhores momentos, fez o novo a partir do velho. E isso pode ser percebido na maioria dos prédios construídos em Brasília: 

Centro de Convenções: com características semelhantes a uma tumba egípcia, em forma de ""U"", simbolizando um imã de atração das culturas nacionais. 
Teatro Nacional: onde o principal espetáculo é o próprio teatro, considerado o maior monumento piramidal de Brasília, comparado à pirâmide de Kéops, tendo em seu interior numerosos labirintos. 
Rodoviária: em forma de um ""H"" deitado, representa o homem mortal. 
Congresso Nacional: Em forma de ""H"" em pé, representando o homem imortal, espiritual; suas duas conchas, o côncavo e o convexo, com a finalidade de captar energia cósmica e telúrica. 
Esplanada dos Ministérios: construção semelhante às avenidas de Akhetaton. 
Lago Paranoá: lago artificial, semelhante ao lago Moeris, do antigo Egito. 
Pirâmide da CEB ""Central Energética de Brasília"": semelhante à pirâmide de Sakara, com degraus e vértice truncado, responsável pelo controle da energia cósmica e vital do antigo Egito. 
Edifício Bittar II: construção semelhante à tumba do faraó Ramsés II 

E muitas outras construções em forma de pirâmide, como o Templo da Boa Vontade, Ordem Rosa Cruz, Grande Oriente do Brasil, Catedral Metropolitana, Igreja Messiânica, Igreja Rainha da Paz, Memorial JK, dentre outras. 

E agora? Ficaremos deitados eternamente em berço esplêndido? 

Artigo de FREECEL/PE - Folha UOL

Um comentário: